Sobre o tempo e a memória nas Confissões de Agostinho

9789722713269Diz Agostinho que: “Sem dúvida que a memória é como uma espécie de estômago da alma” (pág.467), recorrendo à uma metáfora corpórea que não pretende asserir que a memória seja uma faculdade do corpo, na verdade, ela perpassaria o corpo sem se confundir com ele por existir apenas na alma.

Como não tem forma corpórea, a memória também não é um “local” onde está “armazenado” aquilo que vivemos. Nossas lembranças não podem ser recolhidas da memória como se puséssemos nossa mão dentro de um recipiente para retirá-las de lá. Elas não estão situadas no espaço físico como corpos.

Além disso, nossas lembranças não estão sujeitas ao tempo tal como as sensações que as produziram, pois enquanto as sensações desaparecem tão logo certo período decorra, as lembranças delas permanecem indefinidamente e podem, inclusive, reaparecer subitamente quando não são chamadas.

O que significaria, então, apresentar a memória como “uma espécie de estômago”? 

Como já dito, a memória não obedece às mesmas relações e ao mesmo comportamento que o corpo, consequentemente, apresentá-la em termos fisicalistas tem apenas a função pedagógica de usar o que conhecemos para elucidar o que não conhecemos. Deste modo, quando Agostinho usa o termo estômago em relação a algo que está na alma, por exemplo, podemos reconhecer na memória sua função de “armazenamento” ou algo semelhante, em outras palavras, a memória retém coisas em si.

Como a memória não é corpo, todavia, podemos questionar o que seriam tais coisas retidas por ela. Diz o filósofo que são imagens daquilo que percebemos, ou seja, não são as próprias coisas observadas mas a percepção que tivemos delas atrelada à nossa alma.

Por meio disso, Agostinho defende a tese de que nossas lembranças não são perdidas com a ação do tempo, porém permanecem na alma como que “alojadas nela”. Estando fora da relação que o corpo mantém com o tempo, a alma poderia perceber e medir a sucessão temporal pela atenção, pela recordação e pela expectativa, retendo em si excertos temporais observados.

A despeito dissoaugustine-of-hippo, o filósofo não ignora o esquecimento em sua concepção de memória. Em nossa própria experiência de rememoramento somos frequentemente surpreendidos por lembranças de vivências antigas, como se tais imagens sobrevivessem à ação do tempo ao existirem em outra esfera, ademais, por vezes insistimos em tentar recordar algo que ocorreu há muito tempo e tal insistência não é suficiente para fazer com que certa lembrança seja retomada, como se aquilo que se passasse na memória fosse maior que nossa atenção presente para com ela A metáfora do estômago ensina que a memória tem um comportamento próprio e que não é como um arquivo organizado dos fatos, o esquecimento, porém, não é a perda completa dos acontecimentos, como se nossas lembranças desaparecessem junto às sensações que as causaram, o esquecimento é apenas o esquecer atual de certos acontecimentos. Por isso, embora não nos recordemos de tudo o que já nos ocorreu, tais coisas jamais desaparecerão de nossa alma.

Deus, um ser colocado fora do tempo, seria capaz de observar o mundo sem sofrer esquecimento e sem a necessidade de entendê-lo naquela ordem cronológica a qual a submissão ao tempo impõe. Enquanto nossa mente não tem atenção a tudo o que observa e necessita dividir suas percepções segundo o modo temporal pelo qual as capta, Deus não precisa “contar” o tempo poder compreendê-lo: ele o enxerga em toda sua amplitude, algo possível somente a um ser infinito apartado do mundo.

Bibliografia

Agostinho. Confissões, INCM Imprensa nacional Casa da moeda, Lisboa, 2004.

Anúncios

Ouse dizer o que pensa

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s